Experts    |    Eu, profissional    |    Tendências    |    Guia da Beleza
Voltar

Cabelo

Shutterstock

QUANDO FAZER RECONSTRUÇÃO, HIDRATAÇÃO E NUTRIÇÃO CAPILAR?

Com tantos tratamentos de recuperação dos fios à disposição, como saber qual o seu cabelo precisa? Saiba aqui quando fazer reconstrução, hidratação e nutrição capilar

Aquele tratamento maravilhoso que você sempre faz já não está surtindo mais efeito… O produto que é excelente para as madeixas da sua amiga não funciona em você… Segundo o terapeuta capilar e consultor pedagógico do Instituto Embelleze, Alisson Lima, isso ocorre porque cada fio apresenta uma necessidade particular. “Cada fio precisa de um tratamento específico e cada máscara oferece um tratamento diferente. É importante ler o rótulo para entender o que aquele produto oferece. Usar um hidratante que não é necessário, por exemplo, pode danificar os fios”.

São três os tipos de máscara capilar: a que somente hidratada, a que nutre e a que reconstrói. Como saber qual delas o seu cabelo precisa? Alisson afirma que o mais indicado é consultar um profissional da área, pois nem sempre é possível identificar sozinha a real necessidade dos fios. Uma dica é avaliar por quais processos o cabelo já passou. “Se tiver alisamento ou descoloração, precisará de uma reconstrução. Se for natural, necessita apenas de uma hidratação”.

Entenda para que serve cada tratamento

Hidratação

É indicada para todo cabelo que não possui processo químico. Alisson recomenda que esse tratamento seja feito uma vez por semana. “Mesmo que o cabelo seja natural, sem química, ele precisa ser hidratado. Só o xampu e o condicionador não dão conta, já que a hidratação deles não é de longa duração”. Uma dica é sempre procurar produtos que contenham ingredientes como óleo de argan, aloe vera e minerais. O profissional indica ainda uma reconstrução feita em salão de beleza, uma vez por mês, para repor as substâncias que fortalecem a fibra capilar.

hidratação capilar

Nutrição

A máscara nutritiva é indicada para cabelos com colorações clareadoras e colorações suaves, para protegê-los de possíveis danos. Esse tipo de produto é feito para repor os lipídios do cabelo, ou seja, a oleosidade natural dos fios. “A máscara nutritiva é muito indicada também para cabelos cacheados, já que as ondas fazem com que a oleosidade do couro cabeludo não chegue até todo o comprimento”, afirma o terapeuta capilar do Instituto Embelleze. O ideal é que o creme nutritivo tenha na composição alguns dos seguintes ingredientes: óleo de amêndoas, manteiga de karité, aminoácidos, proteína da seda e óleo de argan.

nutrição capilar

Reconstrução

Quando o cabelo passa por um processo químico muito forte, como alisamento, permanente e descoloração, precisa de um tratamento reconstrutor depois. “Quando os fios estão muito frágeis e quebradiços é sinal de que o cabelo precisa ser reconstruído. O produto irá tratar as camadas externas, devolver o brilho, a maciez e o balanço natural”.

Para esse tipo de tratamento o indicado é fazer a primeira sessão no salão e depois continuar em casa. É possível ver grandes mudanças logo na primeira aplicação, pois os fios ficam mais fortes e resistentes. Na hora de comprar a máscara reconstrutora, procure produtos que possuam proteínas, ceramidas, arginina, soja e complexo de queratinas na composição.

reconstrução capilar

 

Você pode aprender muito mais no curso de cabeleireiro profissional. Visite também uma unidade do Instituto Embelleze mais próxima de você.

Tags

hidratação, nutrição, reconstrução capilar, cuidados cabelos, frizz, curso profissionalizante

Comentários

Fique por dentro
Cadastre-se e receba as novidades!

Veja também ...

Strobing passo a passo
Depois do sucesso do make de contorno, disseminado pela estrela Kim Kardashian, as famosas estão in love com o método strobing. Isso porque em vez de disfarçar as imperfeições, ele realça os pontos altos do rosto, proporcionando um aspecto menos artificial. Basicamente, a diferença entre eles é a seguinte: no contorno são usados pó bronzeador ou blush marrom (na testa e nas laterais das bochechas, do nariz e do queixo) para afinar o rosto; no strobing, áreas proeminentes da face, como a parte alta das maçãs, são destacadas com iluminadores. A origem da palavra vem de strobe, que é aquela luz tipo flash de balada. No strobing, a ideia é criar pontos de luz na face, deixando a pele iluminada e com aspecto glow (brilhante, viçosa). No strobing você deve iluminar áreas como têmporas, parte alta das maçãs, canto interno dos olhos, o V (ou arco do cupido) dos lábios, queixo e ponta do nariz. Modelos e celebridades do mundo todo não abrem mão mais do efeito chique que o strobing dá ao visual. Quer copiar? Então siga as dicas e assista ao vídeo tutorial realizado pela professora do curso de maquiagem Francine Dahmer, do Instituto Embelleze Curitiba Centro (PR). Efeito natural O maior segredo para o strobing ficar com o brilho na medida certa, resultando num aspecto glow natural, é usar pouco produto iluminador. Comece sempre com menos e vá acrescentando a quantidade conforme a necessidade. Outra dica é esfumar bem o produto para que o look fique impecável!  Você pode usar... Pincel para blush ou pó – Mas como ele é volumoso e grande, pegue bem pouco iluminador e aplique suavemente. Duo fiber – Perfeito para aplicar iluminador em creme, já que garante acabamento leve. Pincel de esfumar – É o mais indicado para proporcionar uma pele naturalmente iluminada. Pincel em leque – Permite uma finalização perfeita. Iluminador ideal Em geral, o seu tipo de pele é que vai determinar a escolha do iluminador. O produto em pó é recomendado para strobing em peles oleosas, enquanto o líquido e o cremoso se adapta bem em peles secas ou mistas. Tonalidade certa Quando o strobing foi lançado ele era feito apenas com o iluminador perolado. Conforme a tendência foi se firmando e conquistando mais adeptas, os produtos foram ganhando novos pigmentos para oferecer um acabamento mais natural a todo tipo de pele. Os iluminadores dourados ou bronzer são a melhor opção para peles morenas. Os iluminadores com pigmento rosado se adaptam bem nas peles negras. Os iluminadores em tom champanhe, pêssego e perolado dão um efeito glow lindo às peles claras.   Anotou as dicas? Então agora siga o vídeo tutorial com a expert Francine Dahmer, do Instituto Embelleze.
> Leia mais
Aula de maquiagem para iniciantes: como aplicar a base
O momento mais importante de uma maquiagem, que define se ela vai ficar linda ou não, é a cobertura da pele com base. No tom e na fórmula certos, ela proporciona uma cútis uniforme com brilho saudável e ainda parece invisível. Por ser um cosmético tão essencial, deve ser escolhido com cautela! Na hora de comprar, privilegia composições que contenham agentes hidratantes e fator de proteção solar, além de combinar com o seu tipo de pele — seca, normal, oleosa ou mista e sensível. Também dedique um tempo para descobrir qual é o seu tom. Aliás, essa é outra questão fundamental para um resultado final perfeito. Acompanhe todas as dicas da maquiadora Anildes Pereira, instrutora pedagógica do Instituto Embelleze unidades Praça da Sé e Tatuapé (SP), que também gravou um vídeo mostrando passo a passo o jeito certo de aplicar. Tem cada segredo nesta aula de maquiagem para iniciantes...   Tipos de base – A escolha ideal e como usar • Líquida: é o tipo mais fácil de aplicar e oferece naturalidade no resultado. Por ter uma cobertura leve, em geral, não cobre manchas acentuadas nem olheiras profundas. À base de água (oil free) é perfeita para peles oleosas e sensíveis; as composições que vão óleo são indicadas para as peles normais e secas. Coloque um pouco no pincel chato (também chamado de língua de gato) e espalhe na pele. Depois dê acabamento com uma esponja. • Mousse: não tem poder de cobertura tão bom quanto a base líquida; deixa um acabamento opaco e natural. Pode ser usada tanto nas peles secas quanto nas oleosas, pois a maioria das formulações é oil free. Aplicá-la com um pincel é o mais apropriado, no entanto, como ela seca rápido, você tem que ter agilidade. • Pó: indicado para cútis oleosa, pois sua textura ajuda na absorção da oleosidade. Se o seu desejo é uma pele sem brilho, essa é a melhor opção. Faz uma boa cobertura, mase tende a deixar o visual meio pesado caso não seja bem aplicada. Espalhe a base em pó no rosto com um pincel de cerdas naturais e finalize com uma esponja. • Cremosa: possui alta cobertura e é perfeita para peles secas ou maduras, já que não se acumula nos vincos das ruguinhas. Mas as oleosas devem passar longe dela, pois é muito pesada. Pincéis com cerdas sintéticas são boas opções para aplicá-la. • Bastão ou stick: pense na versão mais pesada de uma base... é esta! Tanto, que também é utilizada como corretivo. É recomendada para peles irregulares (com acne ou cicatrizes de acne, por exemplo), com olheiras e manchas acentuadas. A base em barra precisa ser muito bem espalhada para não ficar artificial. O melhor pincel para isso é o kabuki com cerdas curtas e achatadas. • Air brush: é um aerógrafo que deposita na pele base líquida, substituindo o pincel. Por meio de ar a base vai saindo do aparelho e tingindo o rosto. A vantagem dessa tecnologia é o acabamento suave e impecável: uma vez que não precisa ser espalhada depois de aplicada, evita que a base fique com possíveis marcas de ranhuras do pincel ou “carimbos” da esponja. Oferece uma durabilidade extensa de até 12 horas.   A cor certa pra você – Aprenda a adequar à sua pele Uma das maiores dúvidas – se não a maior – em relação à base é a escolha da cor, que combine perfeitamente com o tom da pele para proporcionar um resultado natural. O melhor jeito de acertar na compra é experimentando – e no rosto! Nada de espalhar um pinguinho no dorso da mão ou no interior do antebraço. O correto é testar a cor na própria face. A explicação é simples: a pigmentação do rosto é diferente da pele mais escurecida da mão e muito clarinha do braço. Experimente a cor da base na linha da mandíbula. O produto deve desaparecer na pele e misturar-se harmoniosamente entre o rosto e o pescoço.   Segredos de aplicação – Para um acabamento natural Usando um pincel próprio para base, aplique um pouco do produto no centro do rosto, descendo em direção ao nariz e trabalhando para fora, sobre as bochechas. Pronto, agora, com uma esponja macia, tipo beauty blender (aplicador em forma de gota,) faça o movimento de pressionar e soltar a esponja em toda a extensão com base, de modo que ela vá sendo depositada na pele, cobrindo a área. Aliás, guarde bem essa palavra: depositar. Esse é o segredo de 10 entre 10 maquiadores profissionais para fazer a base aderir à pele e proporcionar aquele resultado natural perfeito. A base não deve ser espalhada com pincel em movimentos de vai e vem, ok? Você tem que ter paciência e ir depositando o cosmético, o que pode levar tempo. Agora, aplique mais um pouco de base na região do queixo, da boca e da mandíbula e repita o processo com a esponjinha. Finalize a aplicação na testa e nas pálpebras (isso ajuda na fixação da sombra depois). Com a beauty blender uniformize a base em todo o rosto.   Cobertura impecável – Complementos de correção Uma pele sem imperfeições ganha uma aparência linda e uniforme só com a base e não precisa de mais nada. Porém, a cútis que tem manchas escuras, pequenos vasinhos avermelhados, cicatrizes ou olheiras deve continuar o processo de cobertura com um corretivo. Sim, esse produto vem depois da base, pois é aplicado pontualmente. Caso contrário, ele sai do lugar quando a base for espalhada. Geralmente o corretivo líquido é universal para todos os tipos de pele e imperfeições, mas você também pode optar por corretores em creme, caneta ou bastão. Os maquiadores profissionais costumam usar dois tons do produto, um mais claro e outro mais escuro que a pele, misturando-os para obter o tom exato de cobertura da imperfeição. O corretivo deve ser amarelado e o tom ideal é determinado pela cor da sua pele. A tabela a seguir não é uma regra, mas costuma ajudar na escolha: Evite corretivos muito rosados ou brancos. Usar uma tonalidade muito clara sob os olhos enfatiza a área escura em vez de disfarçá-la, deixando você com olhos de panda. A escolha do cosmético depende do tipo de pele e da área em que será aplicado. Para que não fique visível, necessita de uma aplicação correta, senão você acaba realçando o que está tentando disfarçar. Faça assim: deposite o produto com um pincel apropriado na área que deseja camuflar e depois uniformize dando leves batidinhas com a ponta do dedo ou com o lado fino da esponja beauty blender.   Ângulos perfeitos – Base de contorno Ao preparar a pele para a maquiagem, você pode modificar ângulos do rosto, afinar ou engrossar áreas, esconder ou realçar traços tirando proveito da técnica de contorno. Ela é feita usando base ou pó opaco: dois ou três tons mais escuros que a sua pele para disfarçar ou mais claros para destacar. Com o contorno dá para minimizar imperfeições, como: Queixo duplo – Aplique um pó escuro abaixo do queixo para suavizar a aparência. Passe pó claro na ponta do queixo e uniformize bem os cantos. Nariz largo ou grande – Para afinar, faça uma linha vertical nas laterais do nariz com pó escuro e esfume. Para encurtar, passe o pó abaixo da ponta do nariz e esfume. Testa larga ou alta – Disfarce o efeito saltado aplicando o pó escuro ao longo da testa. Se quiser diminuir a largura, faça um sombreado nas têmporas. Para enfatizar uma característica, como as maçãs do rosto, utilize pó ou base opaca um tom mais claro do que a sua pele (um iluminador). Aplique ao longo da parte superior de cada maçã. Para tornar os olhos maiores, realce a área abaixo do osso da sobrancelha.   Antes e depois da base A maquiadora Anildes Pereira, instrutora pedagógica do Instituto Embelleze unidades Praça da Sé e Tatuapé (SP), gravou um vídeo com o passo a passo de aplicação da base, do corretivo e do contorno para você aprender de uma vez por todas a preparar a pele para a maquiagem. Veja só que perfeito o antes e depois na modelo. Animada? Vamos lá!  
> Leia mais
Copyright © 2022 · Todos Direitos Reservados